A aula de babyoga pretende ser um momento de conexão entre bebé e cuidador. É uma prática estruturada, a partir dos 2 meses, contextualizando o que é inato aos bebés.

As sessões contemplam canções e exercícios, que promovem um estímulo multisenssorial para o bebé, pois juntam o toque, o contacto visual, o movimento e os sons numa mesma atividade. A repetição é essencial à memorização, além de conferir segurança ao bebé; por esses motivos, a aula inicia e termina sempre com as mesmas canções. Em cada sessão, existem momentos mais ativos e outros de relaxamento. A aula, enquanto atividade física intencional, consiste num leque de propostas para o bebé fazer a descoberta do mundo e de si mesmo.

O Babyoga resulta da mistura entre posturas tradicionais do Hatha Yoga, adaptadas por especialistas ao corpo dos bebés, respeitando-se o desenvolvimento de cada criança.

Segundo o programa da Escola de Babyoga Portugal, os grupos devem ser divididos:

Nível I (2 aos 8 meses) – prática calma e ternurenta, essencialmente olhos nos olhos, para aquisição de ferramentas para uma estimulação adequada do bebé

Nível II (9 aos 23 meses) – prática ativa e de maior descoberta espacial, com posturas que estimulam o sentar, gatinhar e andar.

Na prática regular do Babyoga, explora-se a consciência corporal do bebé, num contexto tranquilo, reduzindo a agitação de ambos os intervenientes. Promove a confiança dos cuidadores e o seu vínculo com o bebé, fortalecendo a ligação afetiva entre ambos, através da partilha de momentos divertidos. É também um espaço onde há lugar para se criarem ligações entre cuidadores e se desenvolver uma rede de apoio.

A atividade ativa o tónus muscular do bebé, melhora a sua postura e o equilíbrio, favorece a flexibilidade e a coordenação motora. Pode melhorar a qualidade do sono, minimizar desconfortos gastrointestinais e reduzir a irritação.

Carla Fernandes

Professora de Baby-Yoga